• Reinaldo Cirilo

Os Arquétipos e sua importância para o Marketing

Atualizado: Mar 2


Os Arquétipos e sua importância para o Marketing

Muitos profissionais de Marketing e estudantes, nunca tiveram contato com esse termo e isso é um Gap gravíssimo na formação destes profissionais.

A construção das marcas, a recordação destas e o ato de conseguir fixar no inconsciente dos consumidores, com certeza passa pelos arquétipos.

Mas o que são arquétipos?

Segundo o grande psiquiatra Carl G. Jung que era discípulo de Freud, os arquétipos são um conjunto de “imagens primordiais” que se originam através da repetição de uma mesma experiência através das gerações. Estas imagens então, se formam e acabam se alojando no inconsciente coletivo (sempre coletivo).

O que Jung pregava é que a parte inconsciente da mente humana é interligada, o inconsciente de todos de alguma forma se conecta, desta maneira se originou o conceito de inconsciente coletivo, que é fundamental para compreensão do funcionamento dos arquétipos e sua aplicação no Marketing.

Estes arquétipos, são formados por experiências e imagens que são construídas, através dos tempos e fixadas no inconsciente coletivo. Um exemplo simples, que podemos citar seria da imagem que o bombeiro tem entre nossa população. São profissionais altamente respeitados pelo público, corajosos e que arriscam a própria vida, para salvar o próximo (já está fixado).

O profissional de Marketing Digital - Vinicius Horta, define de maneira brilhante que os arquétipos funcionam como “gatilhos mentais, porém em níveis bem mais profundos na mente humana”. É exatamente assim que funciona, você ira assimilar de maneira imediata Marcas, com certos comportamentos e lembranças do significado delas para você.

Hoje uma diretriz muito forte do Marketing moderno é a linha de trabalho de Storytelling. A corrente que defende esse conceito, trabalha que você não venda um produto, mas sim que conte uma história, que seja envolvente e que crie laços envolventes com os consumidores. Esse comportamento das Marcas casa efetivamente com o que prega Jung e os arquétipos.

Jung, listou 12 arquétipos, conforme a ilustração abaixo, já acompanhado das marcas que tem esse perfil:

Existem já outras correntes, que já tentam ampliar a lista, mas ela é bem completa e dá para trabalharmos de maneira efetiva, inclusive citando como exemplos Marcas e seus respectivos arquétipos. Esse já é um excelente caminho para percorrer e criar uma estratégia para o seu negócio, sua Marca. O arquétipo identifica sua proposta.

Como lição, vale a pena gravar, que os arquétipos não são fixos, podem existir campanhas com determinados perfis, mudança de estratégia, entre outros caminhos. Mas seguir um projeto de Branding dentro de um só conceito, talvez seja a grande chave da Marca.

Abaixo, seguem os perfis de cada arquétipo. Foque nos elementos e bom trabalho...

O Inocente

Lema: “Somos livres para sermos nós mesmos”.

Desejo (aspiracional): viver no paraíso, ser muito feliz todo o tempo.

Medo: fazer algo errado, ser punido por errar.

Gosta de: fazer as coisas da maneira correta.

O Explorador

Lema: “Não levante cercas à minha volta”

Desejo (aspiracional): liberdade para fazer suas descobertas, viver mundo afora.

Medo: ficar preso a algo ou situação, se acomodar.

Gosta de: viajar, buscar coisas novas, sair da rotina.

O Sábio

Lema: “A verdade libertará você”.

Desejo (aspiracional): alcançar a felicidade por meio do conhecimento e da verdade.

Medo: ser enganado, iludido ou ser ignorante.

Gosta de: buscar autoconhecimento e desenvolver novas habilidades.

O Herói

Lema: “Onde há vontade, há um caminho”

Desejo (aspiracional): provar seu valor através de ações corajosas (ou difíceis).

Medo: ser fraco, vulnerável.

Gosta de: ser competente, o mais corajoso possível.

O Fora da Lei

Lema: “As regras são feitas para serem quebradas”

Desejo (aspiracional): revolução ou vingança.

Medo: ser comum ou não ter poder.

Gosta de: quebrar, destruir ou chocar.

O Mago

Lema: “Tudo pode acontecer”.

Desejo (aspiracional): conhecer e dominar as leis universais e as coisas.

Medo: consequências negativas e/ou inesperadas.

Gosta de: desenvolver uma visão (ver além)

Cara Comum

Lema: “Todos os homens e mulheres são criados igualmente”

Desejo (aspiracional): estabelecer conexão com os outros.

Medo: não ser aceito, ser rejeitado por suas ideias.

Gosta de: nivelar-se utilizando virtudes comuns.

Bobo da Corte

Lema: “Se eu não puder dançar, não quero fazer parte da sua revolução”

Desejo (aspiracional): viver a alegria do momento.

Medo: se tornar maçante, tedioso.

Gosta de: brincar e ser agradável.

O Amante

Lema: “Só tenho olhos para você”.

Desejo (aspiracional): conectar-se com os outros através da sensualidade.

Medo: rejeição, não ser desejado.

Gosta de: tornar-se atraente física e emocionalmente.

Criador

Lema: “Se pode ser imaginado, poderá ser criado”.

Desejo (aspiracional): criar algo de valor e duradouro.

Medo: ter ideias medíocres (ou ser medíocre na execução destas)

Gosta de: desenvolver controle e aptidão na área artística.

Governante

Lema: “O poder não é tudo, é só o que importa”.

Desejo (aspiracional): ter controle.

Medo: o caos, a revolução.

Gosta de: exercer a liderança.

Prestativo

Lema: “Ama o teu próximo como a ti mesmo”.

Desejo (aspiracional): proteger os outros do mal.

Medo: egoísmo, ingratidão.

Gosta de: fazer coisas pelos outros.

Referência: http://c2cpanetwork.com.br/os-12-arquetipos-de-carl-g-jung-para-campanhas-de-cpa/

#arquétipos #marketing

129 visualizações

Apoio

    Gostou da leitura? Doe agora e me ajude a proporcionar notícias e análises aos meus leitores